DICAS: FIELD TARGET

By Carlos Wolff

Este texto foi feito para dar dicas para quem não tem experiência em provas de FT (Field Target).  Está pressuposto que o atirador está começando agora, tem ou vai comprar uma arma de mola e não quer fazer grandes investimentos iniciais. Ou seja, um texto simples a acessível, dentro da realidade de quem está começando na modalidade. Não vai abranger armas do tipo PCP, técnicas como estimativa de distância com lunetas e tabela de clicks de compensação. O FT tem alguns fatores que tornam a prova mais interessante: As distâncias não são conhecidas, são realizadas em ambiente externo, exposto aos elementos, em especial o vento e a luminosidade variada.

Escolha do calibre

Os calibres comuns são:  4.5 ou 5.5mm. O calibre 5.5 tem chumbos mais pesados, e por isto possuem mais retenção de energia. O que significa que ao longo da distância, vai perdendo menos velocidade por conta do arrasto aerodinâmico. No entanto, com a mesma potência, uma arma no calibre 4.5 vai disparar o projétil com mais velocidade.  Afinal a potência é massa x velocidade2. Exemplo: Digamos duas armas de mola com os mesmos 16J de potência. Em ambas o esforço para armar é praticamente o mesmo, assim como o tranco ao disparar, afinal a potência é a mesma.

No calibre 5.5, com um chumbo de 1,03gramas, ele sairá da arma a 176m/s. No calibre 4.5, o chumbo equivalente tem 0,547gramas. Ele sairá da arma a 241 m/s Desta forma, a trajetória fica “mais tensa”, ou seja, existe menos queda com a distância. Como no FT você não sabe a distância dos alvos, se você errar muito esta estimativa, a  compensação  da queda do chumbo será incorreta, e pode errar o alvo. Exemplificando, veja o gráfico abaixo, ele representa a balística de dois chumbos disparados por armas da mesma potência (16J), com chumbos de 4.5 e 5.5 mm. Em ambos os casos a luneta foi regulada para “zerar” a 35m.

Para acertar um alvo aos 20m, o atirador com arma de calibre 5.5 tem que a apontar “para baixo” 3,6cm, enquanto que no cal. 4.5, apenas 1,3cm. Pode parecer pouco, mas nesta distância se o KZ (Kill Zone – centro do alvo de FT) tiver 2cm, uma correta compensação deve ser feita para não perder o tiro. No caso de um alvo a 50m, no calibre 5.5, é necessário compensar a queda de 13cm, e no calibre 4,5mm, apenas 7 cm. Se não compensar corretamente pode até errar o “bicho”.

Conclusão:

Ambos os calibres são adequados. No calibre 5.5 existe mais retenção de energia, e no calibre 4.5 precisa compensar menos. Cada um tem vantagens e desvantagens.

Escolha da carabina

No FT, o equipamento é muito exigido:

– Deve ter potência suficiente para desarmar um alvo de FT a 50 metros;

– Deve ter precisão suficiente para por exemplo, acertar um Kill Zone (KZ) de  40mm a 49 metros.

O problema é que precisão e potência nem sempre andam juntos em armas de mola. Uma arma potente demais tem muito tranco. Tendo muito tranco, fica difícil ter precisão. No caso, armas que são perfeitas para atirar em alvos de papel a 10m vão sofrer com falta de energia para acertar os alvos mais distantes. Por outro lado, não adianta ter aquela arma “magnum” que praticamente precisa dos dois braços para armar, que pode ser divertida para atravessar latas a 10m,  mas  não acerta nada depois dos 30m. Ou seja, é preciso um bom balanço entre potência e precisão.

Conclusão:

Como dizia aquela propaganda de pneus: “Potência não é nada sem controle”. Mas, se você já tem a sua arma e está feliz com ela, aproveite. Mais tarde você pode ficar mais exigente, então pode usar destas informações para auxiliar na sua escolha.

Escolha da munição:

Costuma-se dizer que “Quem escolhe o chumbo é a arma, não o atirador”. Então você deve pode escolher os chumbos que a arma mais gosta, dentro do seu orçamento é claro. O melhor é fazer um teste com a máxima variedade de chumbos que você tiver disponibilidade, para saber quais chumbos sua arma melhor se adapta. Tendo esta relação pronta, você sabe os limites da sua arma, e pode escolher a munição de acordo com seu orçamento. Algumas dicas para economizar na escolha dos chumbos para seus testes: Chumbos bons para distâncias maiores normalmente são os de ponta arredondada. Chumbos de ponta chata são muito precisos a 10m, mas tem um coeficiente balístico que não ajuda na precisão depois de uns 25m. Os de ponta bicuda ou com ponta oca, são bons para penetração ou expansão,  mas são ruins em precisão. Mais uma variável a considerar para deixar os seus testes mais direcionados:

Chumbos muito pesados não irão agrupar bem em armas não tão potentes. Via de regra, em armas de mola, chumbos mais pesados resultam em menos potência, (massa x velocidade2), apesar de parecer o contrário. Por outro lado, chumbos leves demais em armas magnum são disparados muito mais rápidos (>275m/s) e a turbulência vai atrapalhar a precisão. Para os testes, devemos isolar ao máximo a variável “atirador” e outros fatores ambientais. Para isto, escolha uma distância coerente com o seu sistema de mira e qualidade da arma. Se você vai testar com mira aberta, é interessante colocar os alvos de teste numa distância que você tem confiança que consegue visualizar satisfatoriamente. Por exemplo, 15m. Com luneta, pode dobrar esta distância. Use uma mesa que seja firme e um ponto de apoio confiável,  como uma estativa ou sandbags. Faça pelo menos 5 tiros no alvo. Não se preocupe se não acertar exatamente onde você está apontando, o que vale  aqui é o agrupamento.

Depois, meça a distância dos dois furos mais distantes um do outro. Meça a partir do centro a centro (C-T-C) dos buracos. Anote este valor para comparar com os outros chumbos. Repita o teste para cada tipo de chumbo do mesmo jeito. Encontre os chumbos que melhor agruparam e repita o teste até se sentir confiante na consistência dos resultados.

Pronto, você vai ter uma lista mais ou menos assim:

teste a “x” metros Grupo médio
Field Target Trophy 26
Diabolo Baracuda 21
JSB Exact 21
Crosman Premier leve 22
Crosman Premier pesado 57
Rifle 35
Pro Magnum 41
Pro Hunter 30

Conclusão: Neste exemplo, podemos concluir que o Pro-Hunter ou Rifle é um chumbo bom o suficiente para treinos, e para a competição o melhor seria o Baracuda ou JSB Exact. Neste ponto, também sabemos com razoável exatidão os limites de precisão do seu conjunto:  Mira x arma x chumbo.  Ainda vai ser somado nesta fórmula o erro do atirador.

Criação da tabela de compensação

Aqui está uma parte importante do “tema de casa” do atirador de FT. As etapas anteriores são importantes, e servem para qualquer modalidade de tiro. Se você não souber o quando tem que compensar a cada distância, para onde que você vai apontar? Para começar, você deve escolher uma distância para zerar a luneta. Ou seja, um ponto de referência para as outras distâncias.

Algumas considerações: O alvo mais perto fica a 9m, e o mais longe a 50m, você vai ter que escolher uma distância para “zerar a luneta” que fique conveniente para minimizar as compensações.

Vamos analisar usando como exemplo o gráfico abaixo: O conjunto de miras (aberta ou luneta) aponta para o alvo (esta é a linha de visada), o cano está abaixo dele. Quanto maior esta distância, maior a compensação nos primeiros metros.

Neste exemplo, ao disparar, o projétil sai do cano 5cm abaixo da linha de visada (linha do “0”)

Vai subindo numa parábola até cruzar pela linha de visada (em 9m distância)

Atinge um apogeu em 20m de distância,

Vai caindo em direção ao ponto onde a luneta foi zerada (30m)

Depois segue caindo até a distância máxima (50m)

Com este entendimento, você pode escolher uma determinada distância para zerar a luneta, por exemplo, 30m. Isto vai depender da sua arma e sua estratégia de compensação. Se você deixar a luneta zerada mais próxima, pode ficar mais fácil (menos compensação) nos alvos nesta região. Por outro lado, os alvos mais distantes vão ficar mais difíceis, pelo mesmo motivo.

Como fazer a tabela de compensação:

Faça os tiros apoiado, para eliminar ao máximo a “variável atirador”

Dê vários conjuntos de tiros até ter certeza que a arma está zerada no ponto desejado.

Ponha alvos a distâncias conhecidas, exemplo: 10, 15, 20, 25…

Atire em séries de digamos, 5 tiros,  apontando para o centro dos alvos.

Agora pegue uma régua e meça o centro do grupo efetuado com a distância ao centro do alvo.

Você vai ter uma tabela de compensação semelhante a  esta:

10m – 5mm

15m – 20mm

20m – 25mm

25m – 20mm

30m zero

35m + 25mm

Então na hora de atirar, pelo exemplo acima, quando você estimar que um alvo esta a 15m, deve apontar para baixo (em relação ao centro do KZ), 20mm.

Este método serve para mira aberta e para luneta.

Existem outros métodos para fazer esta compensação:

  • Para cada distância/zoom da luneta v. estima quantos “mil-dots” tem que compensar.
  • E o mais trabalhoso, mas mais sofisticado, é fazer uma tabela de clicks da luneta, seguindo uma lógica semelhante.

Treinamento para FT

Pelas etapas anteriores, você já sabe os limites do seu equipamento (arma – mira – munição), agora vamos conhecer os limites que fazem a diferença, o atirador.

Sugestão de roteiro de treinamento:

  • Treino em alvos de papel a distâncias fixas. Desta forma você sabe a compensação que deve fazer, e pode observar no papel onde você está acertando.
  • Treino a distâncias variadas e não conhecidas. Agora você aumenta a dificuldade, e testa sua capacidade de estimar as distâncias além do tiro em si
  • Treino em alvos de FT. Desta forma você treina em um alvo de prova.

Dia da Prova

Não tire a arma da maleta e entre direto na prova. Vá para a área de treino, tente relaxar, faça tiros no ponto onde a luneta está zerada, revise os fundamentos que você treinou. Aproveite para observar o vento, se for possível. Porque? Durante o transporte, o sistema de mira pode ter alterado. Além disto, pode haver uma mudança no ambiente externo daquele onde você zerou a luneta (temperatura, umidade, pressão…) que podem fazer uma mínima diferença. Aquela mínima diferença que fica entre acertar a borda do KZ e derrubar o alvo. Não espere melhor resultado na prova do que nos treinos: Você não está no ambiente que está acostumado, existe a distração das pessoas, existe a tensão da prova. Então vá atirar, limpe a sua mente, porque agora o assunto é somente entre você e o alvo. Aproveite e divirta-se, que agora começa a melhor parte!

Você pode gostar...